burger joint

12915057_10209178749406242_397179365_o

tenho relação afetiva com burger desde a infância, quando preparava sanduíches com meu pai nos fins de semana. com o tempo o gosto foi se apurando e hoje, embora admita que alguns lugares sirvam algumas coisas legais, não consigo gostar 100% de nenhuma hamburgueria na cidade. tem uma coisa aqui, outra ali e olhe lá.

e esses anos amigos martelando no meu ouvido que eu precisava porque precisava conhecer o burger joint, em new york. por várias vezes senti muito não ter condições de pegar um avião pra conhecer o lugar. sou meio atrapalhado com viagens e finanças pessoais.

daí eis que abre uma filial paulistana. passado o óbvio auê de inauguração fui lá conferir hoje, fora do horário de pico. um dos sócios estava no salão e me recebeu muito bem, disse que está resolvendo o problema de exaustão da casa e que chegou a vender impressionantes 1000 sanduíches no sábado de inauguração.

o sistema de fast food, onde paga no caixa e retira ao lado, não me incomoda, pelo contrário. as poucas opções – que seguem as regras da matriz – me agradam, já que tenho gosto clássico pra burger. ponto pra informalidade da casa.

sanduíche gostoso e bem montado. pena que a maionese -sempre seguindo o padrão americano – seja HELLman’s. qualquer hamburgueria mequetrefe de bairro faz na casa maionese melhor. como a batata é congelada (eca), pra matar a fome foi preciso preciso pedir mais um burger.

e é aí que a coisa pega. imagino todo custo envolvido em trazer uma marca dessas pro brasil, mas o resultado final para o cliente é que dois sanduíches e uma coca cola saíram por 55 reais. fast food por preço de restauração, de refeição completa. será que, apesar das inúmeras tranqueiras existentes, já não temos coisa melhor e um pouco mais em conta por aqui?

o sucesso imediato do burger joint aponta para a urgência de melhorarmos a oferta de comida boa e rápida. porque procura há.

que venha a concorrência.

Comente mas se atente!